Posted by on 20/02/2018

O ano passado foi um ano excepcional para todos os esportes no Brasil. A realização dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro deu visibilidade e suporte para praticamente todas as modalidades esportivas no país, olímpicas ou não. Depois de um ano histórico, grande desafio de 2017 era manter a base de atletas das competições nacionais e fomentar a modalidade no cenário sul-americano, com a realização do primeiro campeonato continental no Brasil.

A Canoagem Oceânica realizou quatro competições nacionais este ano. O circuito Brasileiro de Canoagem Oceânica teve a sua primeira etapa em São Sebastião – SP e a segunda em Paraty – RJ. A terceira etapa foi realizada em Ilhabela – SP em um evento conjunto que sediou o Campeonato Brasileiro de Canoagem Oceânica, a 3ª etapa do Circuito Brasileiro e o primeiro Campeonato Sul-americano realizado em águas brasileiras.

Todas as etapas do Circuito Brasileiro tiveram uma boa resposta dos atletas e foram disputadas com um alto nível técnico, o que ficou evidenciado durante a etapa em Ilhabela, que foi realizada em conjunto com o Campeonato Sul-americano. A competição teve participação de atletas uruguaios e mexicanos, mas o Brasil teve o domínio completo em todas as provas, evidenciando a superioridade brasileira no continente.

Empolgados com os resultados em águas brasileiras quatro atletas voaram até Hong Kong, sede do Campeonato Mundial da modalidade no ano. Os brasileiros não conquistaram medalhas, mas finalizaram o percurso sob com condições adversas e mais rigorosas do que as encontradas no Brasil. O melhor colocado foi Luiz Wagner Pecoraro, atual segundo colocado do ranking nacional, que ficou na 34ª posição na categoria Open, mesma categoria de Alexandre Felipe Nascimento, que terminou a prova na 37ª posição. João Pedro Vieira Miguel competiu na categoria Júnior, e terminou a prova em 11º. Victor Levy, da categoria 60+, não conseguiu finalizar a prova.

Para Jefferson Sestaro, supervisor da modalidade junto à CBCa o ano de 2017 foi positivo “Realizamos o primeiro Sul-americano e, com a participação do México no evento, abrimos portas para um possível Pan-americano”. Segundo Sestaro é necessário aumentar o nível do cenário nacional da modalidade, para que os atletas tenham mais experiência ao participar de competições internacionais. Para 2018, o Supervisor da modalidade planeja “fomentar ainda mais a base e os campeonatos estaduais, que voltaram à todo vapor em 2017”. Além disso realizar três etapas nacionais para selecionar os melhores atletas do país que participarão do 2º Sul-americano da modalidade, no Uruguai e do Campeonato Mundial, que será realizado na França.

Posted in: Eventos Realizados

Comments

Be the first to comment.

Leave a Reply


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*